OS POSITIVOS

gases

how very strange, de Ruben Bolling no "Tom the Dancing Bug" 31 mar 2021

Culturas de cancelamento e negacionismo que nos merece simpatia. Cancelemos, senhores! Futebol, moda, realeza. Ie, democracia, redes sociais (ie, democracia), imprensa (adivinham? democracia). Seguindo da democracia grega a quem pedimos emprestado comparações modernas, no espírito desta quadra de celebração de zombies erguidos do túmulo segue-se uma (três) nota(s) a tentar a vossa fé na humanidade por onde menos se espera.

Temos por hábito chafurdar na espuma dos dias para tomar o pulso ao zeitgeist à procura de sentidos maiores – e quando não os encontramos também dai forçamos algumas elações (não dissemos "ilações")–, particularmente na intersecção dos media e a cultura pop, dois universos fecundos em todas-as-coisas-perecíveis. Talvez seja de formação, talvez só má vontade, mas procuramos no lixo dos outros e underdogs em geral as resistências a assanhar para um outro dia ou simplesmente as descobertas mais interessantes porque inesperadas. Como comics para revelações politico-ideológicas ou zines do contra para o sentido da vida ---

Anyhooos,

Numa mesma edição online do jornal The Guardian (uma das peças publicadas no dia anterior, mas todas acessíveis na mesma homepage no dia que lá tropeçamos), começamos do i) futebol, um daqueles nossos ódios de estimação. Neste caso, abrimos excepção e desculpem-nos se este é um debate que já conhecem, para nós é novidade –  vide: fuck futebol acima. Ao caso, equipas de futebol norueguesas e a sua seleção nacional apelam à respectiva federação para "formally boycott the 2022 World Cup in Qatar" por vários descontentamentos. Das analogias a fazer:

Football fans are asking leaders of the game difficult questions

For a long time Norwegians supporters have felt that football has been taken away from them by the people at the top level, that football’s true values have been sacrificed by greed and corruption, selling its soul to the highest bidder and, conversely, sacrificing the lives of the globe’s poorest. But grassroots campaigns are nothing new. So why has this boycott movement made the FA’s top brass quiver? Because Norwegian football is a democracy. Clubs are by law owned and run by their members who, once a year, vote on the club’s policies, amendments of its statutes and so on.
in "Could a Norway boycott of the Qatar World Cup change the future of football?" 30 mar 2021

Se semicerrarem os olhos, conseguem ler atrás outras considerações. De ódios de estimação, próximo: ii) fartsys. Ao caso, aquele subproduto do consumismo mais dispensável, a moda.

In a move which hints at a fashion backlash against Instagram, Bottega Veneta has cut all ties with social media. It is replacing social posts with a quarterly online magazine that Lee hopes will offer “more progressive and more thoughtful” content than scrolling through an Instagram feed. “Social media represents the homogenisation of culture, everyone sees the same stream of content. A huge amount of thought goes into what I do, and social media oversimplifies it." The move is a curveball, because Instagram has replaced the traditional glossy magazine as the most powerful platform in fashion. As a result, the eyes of the fashion industry are watching, and in a world where social media increasingly shapes culture, politics and lifestyle the implications go beyond fashion.
in "Bottega Veneta ditches Instagram to set up 'digital journal'" 31 mar 2021

Não vos vamos aborrecer novamente com o sermão em redes sociais e o DIY, mas não deixa de ser irónico que seja o mundo da fashion a tentar quebrar o monopólio da monocultura digital à qual quase todos já se renderam. Os nossos punx lembram-se quando tinham os seus blogs? Last-not-least, porque OS POSITIVOS: há que ir meta!, uma para o nosso desprezo supremo: iii) os media. Devemos esta ao alerta necessário de um "Prince William is not the world's sexiest bald man – but the 'study' that says he is raises a vital issue" 31 mar 2021 para conclusões.

Who on earth could be behind that startling conclusion?

Manipulating survey questions so they generate the result you want is something of a dark art. Creating dubious surveys designed to generate headline-friendly results that get your company’s name in the news is a bog-standard PR technique. Pretty much every year there is a viral story based on a “study” that turns out to be complete nonsense.

The real issue here isn’t Prince William’s head, but how easy it is to disseminate junk science in the media.
in "Prince William is not the world's sexiest bald man – but the 'study' that says he is raises a vital issue" 31 mar 2021

So true. Esperamos ter-vos convencido que há esperança para humanidade. E que às vezes podemos encontrar-lhe indícios onde não os cremos. Como em jornais.

pass tha gas & zombies que se agitam do túmulo

fim de História, outro capítulo