OS POSITIVOS

confinamento 2.0

« ser digital »

1978 > 2000 > ?

Do primeiro confinamento nada mais a declarar: fizemos-lhe as pazes, a tempo tornámos-mos BFF, agradecemos-lhe as reflexões tornadas inflexões nos outros, particularmente no papel que cabe à cultura, o digital, o digital no papel — pun! — da cultura, etc. Com a mudanças de hábitos o corona tornou também óbvio o que fica e o que vai quando a shit its tha fan, uma divisória ao longo da qual separaram-se primeiras necessidades do rococó estético e outros vernizes civilizacionais — e dependendo do que elegem e agrupam nestes últimos, também nos acharão a lançar achas à fogueira. Quer ajeitem cultura por cima, ou por baixo,

prioridades culturais compensadas 14 jan 2021

País de merda, ninguém questiona o passe a uma modalidade desportiva quando tantas tantos outros ficam no banco, frente à tv, a ver bolinha. Saudades do primeiro confinamento, dias de puro bliss sem comentários no rolar do esférico e outros lirismos de jornalistas desportivos tornados poetas; sem declarações de bravado e juras de amor eterno por adeptos fervorosos; sem figuras de solenidade absoluta a explanar-nos com uma convicção científica o que é um jogo aos pontapés.

Que se evitem eleições em dia de jogo fecha-nos caso.

Talvez o novo confinamento fosse evitável, certamente era previsível. Há coisas que vemos a chegar quando ainda vêm longe, talvez nesse propósito recuperamos uma das nossas leituras mais antigas ainda a manter alguma relevância nestas páginas: previsível, apesar de tantos ainda o tentarem evitar.

Especificamente, "Being Digital" 1995 do Nicholas Negroponte.

Lemos este na versão PT um ano depois da edição original, mais como curiosidade do que qualquer interesse real – outras prioridades à data, a tender ao analógico, e por essa mesmíssima razão provavelmente nunca lhe demos o mérito devido de ideias plantadas a horizontes que sempre nos acompanharam desde então. Um recap em acelerado do pensamento do senhor aqui:

Negroponte posited that the major information industries of the time — i) film and television, ii) printing and publishing, and iii) computers — would eventually start to overlap more completely, to the point that their missions and goals were basically the same.
in "messy convergence" 13 nov 2020

Ao qual também adiantou "with surprising accuracy, e-readers, face to face teleconferencing and the touchscreen interface of the iPhone" 13 set 2013. Hoje, banal-de-evidente. Mas retrocedendo par de anos ainda batíamos com a cabeça na parede para explicar isso a quem de direito. Como hoje ainda o fazemos em nichos que se esforçam à irrelevância. Mas hey, a tempo também esses serão vacinados. Até lá, confinem-se senhores.

do tempo que passa