OS POSITIVOS

monstro mas arrogante

Tempo e costumes, dizíamos. Cinco minutos de recreio para os cómicos, e que encontramos nestes dignos de matutação geral a alargar em abstracto à condição humana? Pouco, nada, mas desconfiados de pistas: 1) avanços e recuos na dança do digital, 2) novo-outro-e-mais-um-miss em cómicos e cultura pt. Começando do fim e ainda aspirando às nossas tentativas anteriores de conseguir arrancar de António Guerreiro alguma inflição à bd, o coração saltou-nos um beat quando este rondou perigosamente perto a propósito do "Bestiário #2: Monstro", fetiche papelar no qual reconhecemos Marcos Farrajota entre os "monstros colaboradores" como Hetamoé ou André Coelho.

Badamerda às fontes atrás de paywalls, fica o the gist of it de "maneira sumária e arrogante" do "gigantismo" e "desafio" a "tempos" e "costumes" por mais de "seiscentas páginas, maiores do que uma folha A4", de textos, ilustrações, fotografia e banda desenhada. Infelizmente, AG não concretiza os nossos propósitos:

Não vou recensear o objecto nem falar do material heteróclito que ele contém.
in "O Monstro Desavergonhado" 17 abr 2020

- e segue-se teatro, brincadeira que se pára quando a leitura lhe pede "algo muito mais sério". Do texto, e arriscamos açambarcar o resto do livro também, confessa-se chegado (correção: não chegado) ao seu "momento de ilegibilidade": escritos que desafiam "a nossa capacidade de prosseguir a torrente textual, até aceitarmos e aguentarmos a ilegibilidade imanente". Concluindo-se, e aqui tentamos colar-nos em leituras:

Mas quem aguenta tantas horas seguidas de dissonância, de música experimental contemporânea? Tenho a esperança de que um dia vou achar este monstro afável. Será o meu dia de vingança.
in "O Monstro Desavergonhado" 17 abr 2020

Damn, pessoal vingativo. Matutando além desdém e pudor aos bons costumes editoriais e objectos que não encontrarão "lugar nas livrarias sobreviventes" porque não lhe conseguirão o espaço – ou precisam dele, ao caso este exclui-se à cultura dos produtos e manifestações de conformidade, mas outros vivem dessa: aqui saídos de monstruosidades "da era festiva, sexual, religiosa" e chegados ao business as (un)usual. Entre desafios a tempos / costumes culturais modernos, o impasse prossegue. Da newsletter do The Beat, "DC decides! Retailers react! Con is cancelled!" 22 abr 2020 no qual ligam aos avanços da DC:

DC is expanding their Digital First program by offering Daily DC Digital First, digital versions of the stories previously serialized in the DC Giants. In addition, DC is expanding their free first issue program, DC Essentials, with more free digital comics. Regularly scheduled and solicited print comics, traditionally available on Wednesdays, will continue to be available day-and-date digitally on Tuesdays moving forward. On the other hand, DC DIGITAL FIRST comics will be released seven days a week, with a strikingly different trade dress that will distinguish these titles from physical versions. This strategy is intended to get daily content to fans immediately, and also to ensure that when comic shops open back up for business, they will have new content and product that their customers will want. In the meantime, we will have properly stoked and protected the demand for comics, keeping fans interested in our characters and stories.
in "DC expands their Digital First program with reprints from DC Giants" abr 2020

Lado oposto, retailers e receios que sacamos do TCJ à evolução possível da Marvel / DC pós corona dezanove vinte vinte:

This is a perfect excuse for them to do what they were planning on doing anyway, which is pushing digital. Print media is on its way out and we know it.
in "Comic Book Hideout" 21 abr 2020

Mas escolhemos este à nossa timeline porque a sua posição permite uma variação (*) Além, claro, do nome da loja: "Comic Book Hideout" Oh, as ironias!. Admitir capitulação:

I’m not afraid of digital because I know that’s the way of the future

 As comics move to digital that market is going to be a much younger market. [It's] for the next generation of comic book readers, who will read comics on their iPad or on their phone. I think digital comics are not something to be feared like "tomorrow" isn’t to be feared. It’s going to happen anyway.
in "Comic Book Hideout" 21 abr 2020

…e sugerir novos mercados:

...but there’s a tactile sense about comic books that is vital to people’s connection to the medium. What can you do to create that market of nostalgia and celebrate that paper product you still value?
in "Comic Book Hideout" 21 abr 2020

Resposta: ver primeiro tópico à conversa. Fim de recreio.

Mas não fim de conversa, fazemos as coisas em três, lembram-se? Tratados os mercados nostálgicos de tempos mais synchronous e festividades sexuais a dever ao sagrado, falta-nos discutir o "the asynchronous" das abstrações cómicas à condição humana. Voltaremos (*) portanto com muitas mais "horas seguidas de dissonância".


* Em boa verdade, estamos cá sempre: hint hint! home-but-not-alone

momento de mais ilegibilidade