OS POSITIVOS

faz lá essa

8 de Junho: Inauguração da Fanzinoteca do CCL

O Geraldes estaria às voltas: "a fanzine" logo depois "do fanzine". Não sabemos se é intencional & anarcas a ser anárquicos, mera distração ou é mesmo assim. A menção de José Smith Vargas, veterano destas andanças, torna o caso mais curioso, mas já dissemos o que tínhamos a dizer no "a polícia do fanzine" 3 out 2020 e sem acrescentos novos além do constatar que "a" zine não morre, mais duas ou três gerações e o transgénero é pacífico.

Sem Lino para os corrigir, as próximas gerações começam a retornar ao zine feminino, uma tendência que lhe parece ser natural.
Real Nós in "a polícia do fanzine" 3 out 2020

Mas a oportunidade dá-se a repetir as mesmas conclusões da ocasião anterior que vocês não lerão porque assim é a vida, o que lá vai lá foi e estamos condenados ao que vem porque não sabemos que já aconteceu atrás – fun: perguntem a um miúdo se sabe quem foi um Soares ou um Cunhal e sentem-se para a resposta, talvez a moral para hoje. De relógios que não andam para trás e "isso também é ideologia, e uma derrota para uma das piores mentiras do capitalismo", de então:

What we are dealing with now is not the incorporation of materials that previously seemed to possess subversive potentials, but instead, their precorporation: the pre-emptive formatting and shaping of desires, aspirations and hopes by capitalist culture [...] the endlessly repeat old gestures of rebellion and contestation as if for the first time. ‘Alternative’ and ‘independent’ don’t designate something outside mainstream culture; rather, they are styles, in fact the dominant styles within the mainstream.
Mark F. in Real Nós in "realismo capitalista I" 15 ago 2017

E se não é óbvio, não estamos a falar de zines.