OS POSITIVOS

ingenuidade


Enquanto esperamos pelos thinkpieces que nos explicarão o que pensar (non-dieu sabe que seríamos pobres almas desamparadas num mundo cruel sem o comentário político alheio...), (*) Disclaimer 2: brincamos: será um governo demasiado caótico para nos importarmos com todas as primeiras de tudo que se irá inaugurar nos próximos tempos. encontrámos na newsletter do Fractura Exposta ("pensar a economia e a política na raiz") uma primeira reação que tomaremos como exemplo à necessidade de alguma nuance a bem de um quadro maior da realidade. Diz-nos,

Começou um projeto de achincalho da representação democrática que tem o fim pouco velado de corroer as instituições democráticas por dentro.

Desconfiam dos acordos dos políticos e do parlamento. Por extensão, desconfiam da própria democracia. Afirmam querer um impulso regenerador, uma “limpeza”, mas não acreditam que ela se faça pelo reforma ética ou pelo ato da palavra e da proposta. É um projeto de regeneração pela destruição, pelo tornar tudo insuportavelmente risível. Até que já nem suporte ouvir, até que já ninguém acredite. Não querem a credibilização das instituições, querem a sua descredibilização total. Até que seja demasiado sedutor convidar um homem forte que ponha isto na ordem. Perante esta evidência, acreditar na rejeição de um desejo fascizante de parte do seu eleitorado torna-se tão ridículo como acreditar em quem, jurando não ser pirómano, aclama entusiasticamente quem lança fósforos na floresta seca. Pessoas que afirmam apoiar ações mas rejeitam o seu desejo das suas consequências mais do que prováveis só podem mentir ou sofrer de grande ingenuidade.
in "Breve nota sobre o dia de ontem" 27 mar 2024

Ora. E senhores, isto é importante: distingam dois pirómanos nesta história. Um incendeia a floresta. Porém porque desculpam aqueles que tinham como missão proteger a dita e intencionalmente a secaram (cumprir défice) para justificar abate (interesses económicos) e posterior condomínio (oportunidades de investimento) com apartamento prometido (vantagens indevidas)? As instituições corroem-se por dentro, acção dos próprios, quem está fora não contribui para o seu descrédito. Mas, e por quem não deseja homens fortes ou ordens fascizantes, apesar das semelhanças insistimos nas diferenças: não ignorem o segundo pirómano. O que voltará pelo condomínio.

espertos