OS POSITIVOS

advertências ao uso


Não há polarização política, apenas deslocação para a direita, com a esquerda a apresentar planos que visam salvar o capitalismo.
in "Um caminho estreito entre mil becos sem saída: esquerda, extrema-direita e caos climático" 21 mar 2024

No setenta e quatro pelo Climáximo. O resumo do estado da arte é-nos tranquilo embora enviesado ao "monstro muito carnudo e material - a crise climática" (*) como destruidor do $$$. A ler se passaram os últimos anos noutro Estado de graça. As conclusões exaltam-nos:

Fazemos uma afirmação simples: ganhar eleições não é fazer uma revolução ou uma mudança de sistema. Nunca o foi.

Existe um plano à esquerda, a nível internacional, para travar esse monstro que já está a devorar a civilização? Esperar pelo próximo "ciclo eleitoral" e depois coligar-se com o centro, entregando todo o espírito e sentimento antissistema e rebelde à extrema-direita não tem sido um bom plano.

Se uma organização está a trabalhar para tomar o poder, a sua estratégia não deve, definitivamente, centrar-se nas eleições de outra forma que não seja instrumental. (...) Isso significa tornar-se uma verdadeira ameaça ao status quo, o que significa correr riscos, ser popular e ousado.

Já esperámos tempo suficiente. Se a esquerda institucional se coloca como guardiã da revolução, em vez de sua promotora, ela deve sair do caminho. Há um caminho muito estreito para vencermos e mil becos sem saída. Nenhum deles inclui esperar mais.
in "Um caminho estreito entre mil becos sem saída: esquerda, extrema-direita e caos climático" 21 mar 2024

Fossemos os adultos na sala e pediríamos palavra para lhes notar antes de saírem porta fora, bandanas na cabeça com palavras de ordem revolucionárias, que haverá custos e consequências indesejáveis. Como muitas, muitas outras, vezes e vezes sem conta — vide: História!, every goddamn time! — os ganhos dessas batalhas são passados aos próximos, quem as trava não partilha glória alguma. Mas. Tempo escassa. E está no nosso motto: sabemos que já perdemos, por isso não nos podem ganhar.

*) A crise climática não destruirá o capitalismo. Este não é material nem derivado do uso, encontram-no no valor, e o valor encontram-no no desejo. Em ocasiões idas notámos por aqui que o capitalismo sobrevive bastante bem com o imaterial. Enquanto formos humanos, teremos desejos. Releiam igualmente os P+ para saber onde nos encontram no mercantilizar destes, porém admitindo que nem todos são ascetas anti-sociais como este o vosso escriba, humildemente propomos mesma receita que seguimos: informem os vossos desejos.

Seguimos caminhos muito, muito estreitos, senhores.

o que corre mal