OS POSITIVOS

haverá um tempo menos aborrecido

Notas finais a um ano que sentimos — e vivemos — como transitório, compasso de espera, antecâmera do por vir. Escolhemos dois excertos para alegoria nas interseções onde nos encontram, as nossas redes de afinidades, utopia massacrada na década passada (como um pêndulo, a História sugere-nos o ponto de retorno quando alcançarmos o extremo do pior) vs uma sociedade de cultura irreal-mediada. Desta, Daniel Oliveira cumpre-nos funções de um Pacheco Pereira, terminando a apelar à sabotagem (aqui metáforas às urtigas, sejam literais quando tocar a nossa hora...) num tom que outros censurarão de populismo,

Um repórter que acompanha o líder de um partido faz uma pergunta, quase sempre sem qualquer conteúdo relevante para o futuro do país. O repórter que acompanha a campanha adversária pede, tantas vezes por indicação do editor, reação à resposta do outro. O jornalista que acompanha o primeiro pede nova reação ao primeiro sobre a resposta do segundo. E dez comentadores passam horas a discutir o tema de que ninguém se lembrará daí a uma semana. [...] Na realidade, toda a campanha podia ser, para as televisões, feita em estúdio. Sem povo, sem vida, sem outros intervenientes que não fossem os políticos e os jornalistas. Sem outros temas que não fossem os que a própria comunicação social escolhe e onde os políticos perdem a sua própria vontade e cumprem o dever de preencher a programação de televisões em confronto por audiências. [...] Os jornalistas acham que os políticos têm o dever de seguir o seu guião e que não o fazer é sinal de desrespeito pela liberdade de imprensa. Mas é mesmo isto que os políticos devem começar a fazer. De preferência nos diretos, quando a edição não permite retirar tudo o que não cabe na história que já vinha escrita de casa.
in "A política não é uma fábrica de 'conteúdos'" 27 dez 2023

Não há nada de sacrossanto no jornalismo como o é além do imaginado pelos próprios, enchem chouriços como qualquer outra empresa humana (*) ie, onde "intento" & "desígnio" se mescla com "especulação mercantil" e "sociedade comercial": ver dicionário, porém, repetimos, não leiam o excerto acima no seu sentido estrito. Alarguem, abranjam, estendam-lhe interpretações das narrativas aos modelos. Que contrapomos no espectro oposto do consentimento fabricado, as interligações de auto-ajuda distribuídas pelos pares.

maybe that's just the web splitting in two

I am a bit distressed about the web. Sometimes, I panic about it. And it's why I look back so often to try and capture the long view. But when I peak up to look around a lot of what I see—or rather, what is surfaced to me by broken down algorithms that hides beneath the surface a much longer tail that sadly most people never see—is all buttoned up and plain and unadorned and professional and (frankly) boring. [...] On the fringes of the internet, where things are small and specialized (even when they're grim or shocking), there's something far more captivating than the sanitized, controlled environments we've established on the modern web. And it is still very much out there, and I believe it is growing.
in "Reversing the boring web" 29 dez 2023

Senhores!, ao crescer à margem do mundo moderno.

livres de aborrecimento