OS POSITIVOS

Manouach escreve, Pedro traduz, BDs publica — nós comentamos

"Para quê contratar artistas de banda desenhada se a banda desenhada se pode desenhar a si mesma?" 11 nov 2023 Errr: não.

Ao título-provocação temos [queremos...] que responder com a "Betteridge's law of headlines" Wikipedia: "any headline that ends in a question mark can be answered by the word no." Contrariamente ao clickbait não tratam de "BD AI" mas "banda desenhada sintética", distinção que desconhecíamos e explicada nos primeiros parágrafos. Para bases de trabalho:

Consequentemente o restante artigo trata da segunda, não da primeira, e podem ficar por aqui se estão com pressa.

Porque temos o tempo, as nuances. Damos a segunda proposição como evidente, batemos-nos (*) Como em: "castigamos-nos". por ela desde [inserir quando começaste a ler P+]. É mesmo à anterior que IM se escusa e mais gostaríamos de ver vislumbres de comentários — quiçá respostas? Bd sem artistas: se ainda não estamos lá, lá estaremos eventualmente. E não consideramos atingir esse patamar apenas quando essas se tornarem verossímeis e indistintas de acção humana. Uma rápida imersão nos universos dos miúdos de hoje vai-vos tornar evidente que os conteúdos que consomem estão longe de se submeterem à velha tirania do sentido, lógica, sequência linear, início ou fim, ou sequer assunto pelo meio. Apenas constatamos: qualquer bd gerada a prompt, com todas as suas imperfeições, glitches, distorções anatómicas-narrativas já cumpre requisitos mínimos para ingressão à categoria, somem par de gerações incrementais na IA cruzada a adultos crescidos a fragmentos desconexos de imagens e texto e podemos retomar ao título da peça. Infelizmente a prosa abaixo desse rapidamente se desvia para tratar do recurso à tech como ferramenta de apoio à criação. Que, again, óbvio:

Compreender como artistas de banda desenhada integrarão estas ferramentas de IA contribuirão para uma reconfiguração dinâmica das tradições artesanais e representa uma óptima oportunidade em expandir a agência operacional dos profissionais da banda desenhada.
in "Para quê contratar artistas de banda desenhada se a banda desenhada se pode desenhar a si mesma?"11 nov 2023

Mas viemos pela "DB AI": compreender como essas ferramentas excluirão os artistas da bd, a reconfiguração dinâmica de velhas tradições e oportunidades de expandir a agência operacional dos leitores da banda desenhada. Concluímos de PM:

Com efeito, não fui, até ao momento, testemunha de qualquer discussão séria, informada e balizada sobre as potencialidades, impactos e vertentes em que a dita "inteligência artificial" (um termo muito erróneo e problemático) se permite entrosar na criação desta disciplina que tanto apreciamos.
in "Artigo de Ilan Manouach em "defesa" do uso de I.A. em banda desenhada."11 nov 2023


Notas finais:

A integração de ferramentas computacionais na banda desenhada não é mais que uma parte de um processo contínuo de construção do mundo que sempre esteve profundamente inscrito na história do meio.
in "Para quê contratar artistas de banda desenhada se a banda desenhada se pode desenhar a si mesma?"11 nov 2023

— O que ele disse.

Não será relativamente desonesto que os mesmos profissionais de banda desenhada que denunciam a inteligência artificial como sendo roubo e espoliação estão particularmente activos em redes sociais, que utilizam para promover os seus trabalhos?
in "Para quê contratar artistas de banda desenhada se a banda desenhada se pode desenhar a si mesma?"11 nov 2023

— Sim.

Pergunto-me se os artistas de banda desenhada que mais consistentemente defenderam a necessidade de uma forma de expressão artística mais genuína, mais vernacular, e que bastas vezes se rebelaram contra a arte institucionalizada e o conservadorismo académico, se tornaram agora a presa colateral de uma democratização intensificada e impetuosa, tornada possível graças às IAs generativas?
in "Para quê contratar artistas de banda desenhada se a banda desenhada se pode desenhar a si mesma?"11 nov 2023

— Não.

Estas novas competências poderão reinscrever e reconfigurar o que significa ser-se um autor criativo de banda desenhada numa paisagem tão profunda e alargadamente mediada pela tecnologia, e talvez mesmo nos possam ajudar a compreender melhor como responder às questões éticas associadas à autoria, à atribuição e a co-propriedade.
in "Para quê contratar artistas de banda desenhada se a banda desenhada se pode desenhar a si mesma?"11 nov 2023

— Talvez na Bélgica, isto é Portugal.



slow dayz ¯\_(ツ)_/¯ kickin' back

broken