OS POSITIVOS

rollin' outs

Summer's end. Sem premeditação por quaisquer trajetos que calhem, repetimos as rotas de sempre, são-nos paisagens familiares, trilhos já tantas vezes repisados que as atravessamos de passo leve e rápido, talvez por isso lhe possamos emprestar uma razão mais caridosa que o hábito em automático. Chamemos-lhe intuição, primeira natureza, loop-em-ciclo por coincidências de tempo e espaço que não podemos/queremos escapar? Picados os sítios do costume à pacificação de humores, retornamos ao ponto de partida e damos por nós a cumprir rituais como se nada mudasse, nunca.

Um desses, o adquirir livros fora de época que calhem a agarrar-se à vista no escaparate da loja e dessa saltam-nos à mão. O acaso levou-nos ao "Rolling Blackouts" 2016 de Sarah Glidden. Imediatamente pelas primeiras páginas deste:

dispatches from Sarah Glidden 2016

Fun! Do excerto acima elaboram-se definições, apelamos à vossa ironia no ponto a fazer:

  • Is it informative: is it trying to inform people about a topic or a time or a person?
  • Is it verifiable: is it true and can we find out that it's true?
  • Is it accountable: do we know who did it, and if we find out that something was untrue, will they take responsibility for it?
  • And is it independent: so did the person report for this for no reason beyond getting to the truth, or did they do it because were paid by an interested party?
in "Rolling Blackouts" 2016

Right them, 2016, estávamos na mesma página.

Coincidências, passamos ao ecrã estas notas no mesmo dia que recebemos novo reencaminho da seita que conhecem, outros trilhos que se desbravam.

digital dist

Subscrevemos em automático pelo hábito, mas sem ideias de voltar a todas-as-coisas-cómicas.

Eternamente tentados às mesmas voltas, até no fluff da vida. Mas pela primeira vez em muito tempo esta é uma espiral que não enrola para dentro, rodopia para fora. We-be-rollin', onde vamos ainda não decidimos, sabemos apenas que lá vamos com hábitos que não podemos/queremos negar.