OS POSITIVOS

tempo tuga

os P+ desatentos

dúvidas existenciais

Bitchávamos da falta de meat em comics PT, mas talvez seja só desatenção nossa, um blind spot que a imprensa estrangeira é rápida a emendar-nos e outros a recordar-nos. Foram notícia a recente entrevista no Solrad a Tânia A. Cardoso, “based in Rotterdam” 26 jan 2021 e poisos como China, Brasil ou França, de onde nos chegam também novas fresquinhas do vencedor de melhor BD alternativa no Festival de Banda Desenhada de Angoulême. Com a participação de 174 autores, “entre os quais os portugueses André Lemos e Marcos Farrajota 1 fev 2021, obviamente uma edição finlandesa para nos consolar da colectânea nacional que volta a casa com o habitual prémio de participação.

Não nos deixamos esmorecer, tiraremos teimas, faríamos um mal serviço aos nossos compatriotas se os carimbássemos a todos por igual com a lei do menor esforço: tantos anos depois dos nosso último scene report, desafio lançado-e-aceite! Procuraremos dizeres entre os suspeitos do costume ou quaisquer outras fontes que calhemos a beber sobre a condição da BD, PT ou outras, e voltaremos com a nossa própria colectânea do que de melhor e mais interessante foi publicado online desta no último ano. O que diz e dela se diz, porque dizem, o que nesta podemos ler, e porque o havemos de fazer. Mais de uma década desde no nosso primeiro estado da arte em banda desenhada, vários anos de edições generosas e umas quarentenas forçadas depois, alguém algures terá necessariamente acrescentado umas quantas linhas a tecer considerações que mereçam a nossa reflexão.

Estendemos convite, enviem-nos as vossas referências pessoais d”os mais profundos textos sobre bd que li este ano”, aceitam-se puff pieces e academia: we’ll go punk low para abarcar o que houver. Espanaremos webs, decifrar-lhe-emos códigos binários, vasculharemos ligações, alguma coisa haveremos de encontrar num país com “a big political cartoon tradition” como nos recorda Tânia A. Cardoso a propósito da BD nacional arquitetura.


Baixaremos bitola até este train wreck raspar faíscas no chão, mas se mesmo assim não encontrarmos nada de mérito fuck it! acabou-se a BD para nós: mudamos hobbies, passamos bloggar sobre, whatever, motos, OS POSITIVOS, bitchin'bout'bikes.

vrum vruuum