OS POSITIVOS

idle hands 'r the devil's work

#666

De promessas cumpridas e pactos com diabos, aquela altura do ano.

My prediction for next year - media companies taking their film properties straight to streaming will cause cinemas to be repurposed to show digital comics on their screens at gigantic sizes. Audiences will control the page turns/panel zooms via a majority-rule voting app. An executive will attempt to resurrect the nonsense of motion comics and will be dragged screaming through the streets.
in "You’re What The French Call, ‘Les Incompétents’ – This Week’s Links" 18 dez 2020

O annus horribilis de 2020 foi um bom ano para OS POSITIVOS. Contra expectativas o confinamento custou-nos horrores, o distanciamento social que se seguiu a reparação cósmica dos deuses pelas provações passadas: na cronologia dos fanzines que nunca foram publicados este ano — vide quaisquer relatórios oficiosos que apareçam — acrescentem um “GRATOS”. Segue-se balanço.

Fair warning: alternamos registo entre o depressivo e o eufórico, Freud explica, e semanalmente neste espaço encheram-se notas que ajudarão ao caso.

Novo ano & virar de página, projectos antigos arrumados nas suas caixas, estamos entre livros com todos na mesa para o pickin'. Tantas possibilidades, leituras-wise e sobretudo explorações que se abrem, dobramos calendário com uma comichão a novos intentos renovada. Foram eternidades a assistir ao slow motion do óbvio, tipicamente no caminho da mais imbecil das alternativas possiveis, desesperados para o acelerar mesmo se o destino é estúpido: é a espera que nos irrita. A pandemia global a única verdadeira surpresa, e senhores, que surpresa. Anti-sociais por vocação mal disfarçada, cinco minutos e começamos a olhar para saídas, portas, desculpas, nunca memorizamos nomes, não gostamos de conhecer novas caras, não olhamos ninguém nos olhos que não venha de trás ou que não esteja prestes a ir ao chão, e, de repente, mundo e meio — o real e digital — é obrigado ao lifestyle: acabou-se o contacto, tudo distâncias, as máscaras são reais. Como um relógio quebrado, em 2020 tinhamos horas certas e fizemos bom uso do nosso tempo. Sem mais pontas soltas por resolver, resta-nos a pergunta óbvia: como foder tudo? A matar essa porra à primeira oportunidade.

Antes, revisões.

Coincidências, a newsletter 666 calha com volver do ano mas não lhe carreguem demasiado significado, o número não é exacto. Dependendo da lista, alguns não recebem nem metade das missivas, outros saltitam entre as preferências que marcaram interesse (unfun fact, tantas já extintas), e mesmo aqueles que o algoritmo agrega entre os mais hardcore (*)“Hey! Sou do hardcore, como posso receber todas as newsletters?” Simples: abre tudo e segue todas as ligações nesta: para a nossa app tornas-te um power user que é automaticamente emparelhado a todas as nossas missivas. “Recebo muitas mais newsletters quando sou VIP?” Não, nós apagamos da lista todos aqueles que se mostram demasiado excitados pelos nosso escritos. que teoricamente recebem qualquer peido deste vosso escriba, já terão notado que preguiçamos demasiadas vezes esquecendo de actualizar numeração aqui e ali. Finalmente, nem sequer contámos as newsletters na primeira década dos P+. Aquele 666? Puro marketing: enche o olho, nenhuma verdade. Hell, o nosso sítio acusa 921 artigos públicos, quase mil missivas de amor aos cómicos et al — de uma relação abusiva, claramente os comics abusam de nós — a cuja contabilidade teríamos ainda de somar artigos sonegados ocasionalmente: a idade trás razão falta de interesse. Quando receberem o nosso “um milhar de P+ online!” comemorativo não o levem à letra. Nesse tópico ---

Agora: o que vem a seguir.

O que quisermos. Talvez seja desta que nos comprometemos ao nosso great american novel. Carregamos à éones o embrião de uma história que é maior do que nós, precisa de ser parida. Ou podemos double down na crónica dos (divertidos) costumes de nativos e suas tradições. O que nos/vos entusiasmar mais.


Fechamos ano com o "Post Party Depression", porque... OS POSITIVOS: o vosso fix de humor & depressão antes de isso se ter tornado uma cena. Aos canhões que se escondem, aos canhões que regressam, ir abaixo voltar acima, aos confortos e aos confrontos, nunca desistir. Segue poema,

Peel the mask away drop the masquerade
Lose the tough guy facade
The world's a scary place
Everybody's afraid
Whether they'd like to admit or not
It's the truth

Sooner or later this party gets busted
And all your friends stumble back home
But you're the lose cannon
That could never be trusted
So you'll hide from the cops all alone
Again

Tell me when the fire dies down
What the fuck will you do?
When the man comes around
What the fuck will you do?
Who's gonna be there to catch you
When your plans all fall through
When you were flyin' your white flag
Who never gave up on you?

The future is terrifying
It constantly plagues my mind
Where will I be in ten years
Will I be homeless?
Or buried?
Have children and be married?
Or will I still be stuck standin' right here?

Either way it's been a privilege
To have had time to spend
With my wonderful family and friends
So I toast to all of you
And to all that you do
You're fuckin' awesome don't you ever forget it

'Cause when the fire dies down
What the fuck will you do?
When the man comes around
What the fuck will you do?
Who's gonna be there to catch you
When your plans all fall through?
When you were flyin' your white flag
Who never gave up on you?

Build up your confidence
Will lead to have a breakdown
And every morning that you wake up is a let down
Find yourself a comfort or two
Adjust until you're face down, blackout fucked up
Just to help yourself forget
The world we live in is a terrifying place
Who're gonna be the ones who are there
When the rest have gone away
The ones who've turned their backs on you
They're staggerin' off the plank
Come back a fuckin' cannon
Blow 'em away
And watch 'em sink!

Tell me when the fire dies down
What the fuck will you do?
When the man comes around
What the fuck will you do?
Who's gonna be there to catch you
When your plans all fall through
When you were flyin' your white flag
Who never gave up on you?

Não será Baudelaire mas há vídeo — com o patrocínio & product placement duma cerveja qualquer (brincamos) — e do qual Roger Scruton faria uma festa de sentidos à juventude perdida em falsas emoções. Nós próprios acederíamos a passo de dança, mesmas melodias, outras harmonias. Indiferentes a todos, os miúdos seguem ao seu ritmo, and that’s all right.

resolutions