OS POSITIVOS

entrelinhas amorosas

we-be-buddin' since '97 (*) Rippado e reciclado num P+ #2 'cuz... zines e o cut & paste! Curiosidade extra: divide página com um cartoon da Mafalda pelo Quino.

Começamos com identidades com i) comics pelo autor, ii) comics pelo crítico, iii) comics pelo editor. Do autor escolhemos uma entrevista ao Peter Bagge, "A Thin Line Between Love and Hate: PW Talks with Peter Bagge" 3 nov 2020, embora não nos faltasse material com outros dizeres recentes (*) Estes títulos senhores... por Art Spiegelman no "Graphic artist Art Spiegelman on Maus, politics and 'drawing badly'" 17 out 2020, Joe Sacco no "Soaking In “The People’s Jacuzzi”: Notes On Joe Sacco’s Satire" 29 out 2020 ou o Adrian Tomine em "'I’ve Got Decades Worth Of Suppressed Emotions': An Interview with Adrian Tomine" 2 nov 2020. Condensamos do Bagge porque o mesmo empresta-nos tom desde os nossos primeiros zines em finais do século passado.

— When you were drawing Hate, was Buddy a way for you to contextualize the world?
— Buddy has been something of a stand-in for me. We’re mostly the same. He was much more comfortable in an urban, artistic, hipster environment. But he doesn’t quite fit in. He’s always trying to figure out if he should go with the flow or call out B.S.
in "A Thin Line Between Love and Hate: PW Talks with Peter Bagge" 3 nov 2020

Do umbigo estamos concluídos. Extremo oposto, o crítico cultural e citamos do senhor que se segue a problematizar.

Esta busca pela identidade permeia a vida moderna. Caracteriza-se pela fluidez e pode mudar de trajetória várias vezes ao longo de uma vida, ou até duas vezes ao ano. O cultivo da identidade é um modo de "ser-para-o-outro", para usar a forma existencialista, uma forma de reivindicar espaço num mundo que é público. Ao mesmo tempo, baseia-se na escolha, no gosto e no ócio; alimenta-se da arte popular e do entretenimento; em termos gerais, é uma obra da imaginação.
Roger Scruton in "Cultura Moderna" 1998

Onde nos falha a imaginação: políticas identitárias são fluidas e mesmo convenientes, cada qual escolhe a que mais lhe convém – não cremos que as preferências ditem processos autênticos, processos autênticos ditam preferências. Mas o nosso crítico de cultura massificada não perde razão ao descrever como “obra de imaginação” identidades que são-para-o-outro, tipicamente aquelas que dependem do consumo. Como atrás, cremos que a autenticidade segue em sentido inverso. Como o autor, também o crítico acusa bullshit, embora o faça por opinação derivada. Ao contrário do autor que reclama a sua identidade, o crítico aponta identidades e nesse gesto revela a sua.

Terceiro à consideração, o editor. Zeloso por agenda própria, igualmente consequente no callin'out bullshit e outras afecções, a sua intervenção será a menos evidente, mais difícil enunciar se comparado ao autor e crítico. Aqui socorremo-nos com uma revisão de Lev Gleason, desconhecido do grande público e "in whose name a major line of comicbooks was published in the heyday of comics" (*) Estivemos há pouco tempo com outros editores do heyday dos comics aqui.. Mesmo se a sua identidade é mais nublosa —

We still don’t know what he did, day by day.

But what did Lev actually do, day by day? He didn’t draw or write; so did he edit? Probably. A little here and there. And he had other publishing interests from time to time.
in "American Daredevil: Comics, Communism, and the Battles of Lev Gleason" 22 out 2020

— não se livrou de ser "tagged a communist or cited for contempt" por associação e convicções anti-fascistas a exemplo por todos aqueles perseguidos pelos "McCarthyism" de qualquer era, os mal-dizeres e desconfiança que acossam os que que desalinham com ideias à frente da sua época, ideias como — já que fazemos da BD a figura de retórica para hoje — "books deliberately [aimed] at adult readers":

They made a crusade of it, saying comics were not just for kids. They were breaking new ground.
in "American Daredevil: Comics, Communism, and the Battles of Lev Gleason" 22 out 2020

Três identidades diferentes, três ramificações que se entrelinham dum mesmo lado que os separa do leitor — não vos trazemos exemplo, comicswise, de identidades para este: usem a vossa imaginação.

Autor, editor e crítico, congeminam a obra com uma certa intencionalidade (*) E só por ingenuidade poderão querer argumentar que o crítico cultural estará lado-a-lado com o leitor comum e incógnito: esse cona é tão condicional à indústria como os demais., do outro lado dessa linha leitores tornados autores-editores-críticos entre os seus meandros reapropriam regurgitamentos noutras previsões. A tensão que os separa estará na base de demasiados estudos culturais que importe enumerar, são, porém, os que tratam da discrepância de intenções os que mais nos entusiasmam, mesmo se dessa confusão se arrisque a tragédia das coisas-que-fazem-pop.

work-in-progress