OS POSITIVOS

meatless

Eu acho que não tem problema de contar isto. Mas se tiver, que se lixe!
Fábio Veras

Que eu gosto muito, mas ainda não encontrei o meu próprio estilo. Mas pronto, vou caminhando para lá.
João Gordinho

Cites rippádos do nº especial da H-alt para comemorar o centésimo episódio do seu podcast. Com destaques "marcantes" de diversos autores e outros (*) Com alguns textos repetidos: Filipe Abranches ou Sérgio Marques; e por alguma razão o André Oliveira tem uma ilustração do André Diniz, talvez tenham colaborado, não acompanhamos...– entre eles, e esta segue ao Google para indexar: André Lima Araújo, Marco Mendes, Joana Afonso, Sérgio Marques, André Oliveira, Luís Louro, João Vasconcelos, Tânia Cardoso, Filipe Abranches, Bruno Caetano, Jorge Coelho, Jorge Deodorato & Sharon Mendes, Miguel Peres, Pedro Moura, Fábio Veras, Rafael Sales, Pedro Lopes, João Gordinho – , "como não podia deixar de ser", "uma selecção subjectiva e limitada".

Este resumo de 100 entrevista em bd-pt não nos encheu as medidas, e se como nós se debatem com debates pós-modernos de interpretação (e autoridade) de textos e das suas relações de poder com o aparato técnico de reprodução, acesso e apropriação (senhores, aqui é mesmo "consumo") dos ditos, ficarão com fome. Talvez o melhor resumo ao resumo do resumo:

É um bocado frustrante enquanto ilustradora ter essa noção. Mas é algo que temos de mudar.
Tânia Cardoso

Partimos para outras paragens e com apetites de qualquer-coisa-TCJ saltámos na ementa à mini-entrevista do Ben Katchor com a certeza de quem sabe que ali há chicha (*) "chi·cha"
nome feminino
1. [Infantil] Carne comestível;
2. Tradução literal de texto grego ou latino, geralmente destinada a estudantes. = BURRO, PAI-VELHO;
3. Exercício escolar de tradução interlinear de um texto;
4. Significado manuscrito por cima da palavra do texto;
in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha] 28-07-2020

Fuck it, se estamos nisso, "carne": vai da "polpa dos frutos" ao "tecido muscular" do "animal morto ou porção de animal morto para alimentação", subindo à "natureza animal do género humano" e "corpo, matéria (em oposição a espírito)" com "concupiscência" pelo caminho. OS POSITIVOS: tudo da fruta à foda.
. Não desapontaram, e recomendamos desta dois momentos - aquilo das metáforas.

Primeiro, pedindo-lhe que desenvolva dos paralelos entre os estabelecimentos da "food service industry" e "other political philosophies" que "these kind of establishments and various brands of utopian thought are drawn", resposta:

In the early 20th century eating out was a political act. You’d choose to patronize the cafe or restaurant whose owner and clientele were in tune with your political beliefs: socialism, anarchism, vegetarianism, etc. The hearts of the owners of these ideologically driven places were not on business, many were small, marginal operations that didn’t last long. Even Communist party’s cooperative cafeteria on Union Square didn’t last long. Today, someone who thinks about the politics of where they choose to eat out will probably starve..
in "The Dairy Restaurant: A Meatless Chat with Ben Katchor" 27 jul 2020

O que ele disse, agora em cómicos. Estivemos aqui a propósito de não frequentarmos zine-fests...: jejum. Dois, sobre um rant no NYTIMES de 1902, "about the unsavory sort of people who consume pie":

« …The effects of pie are, like those of other injurious food, insidious. The hardened pie eater becomes art blind. Nothing makes him glow or warms him to any enthusiasms but his chosen food. No great man was ever fond of pie. No important work was ever consummated on a pie diet... »

That article was offering a humorous analysis of the type of person who patronized an American-style dairy-lunch counter with it’s bland American food, low prices and antiseptic environment and how their taste in food and choice of restaurant would inform all of their cultural taste. It was the beginning of a critique of American middle-brow culture.
in "The Dairy Restaurant: A Meatless Chat with Ben Katchor" 27 jul 2020

O que ele disse, outra vez os cómicos, e voltaremos à crítica dos low-middle-high da cultura algures com as férias – a predisposição pre-dispõe, é uma low fruit que apanhamos só de esticar o braço.


Bónus, porque: dois?, três!, no tópico de gostos culturais (des)informados, uma outra dualidade que reconhecerão. Sempre cómicos:

  • The milekhdiker personality was someone who chose not to fully participate in the world of action, a daydreamer, an obsessive ruminator, an intellectual paralyzed by thought.
  • The fleyshik (or meat eater) was the opposite: an appetitive, rapacious individual pushing themselves through lives driven by appetites and unconcerned with the effects of their actions— basically, those who mindlessly go along with the profit-driven market economy.
    in "The Dairy Restaurant: A Meatless Chat with Ben Katchor" 27 jul 2020

pick-a-bone