OS POSITIVOS

(in)fest

« connecting remotely »

Disclaimer: senhores, é importante apoiar os os locais, participem, promovam, repliquem. Dito isso, continuando a expiar meas culpas porque é da season.

L.A. Zine Fest took place this year as a virtual series of events in May, an exciting alternative to connect zinesters, attendees, and other people who usually go to the fest. From the comfort of my home in Seattle, I got to check out L.A. Zine Fest.
in "L.A. Zine Fest 2020: A Few Observations and Updates" 12 jul 2020

In order to deal with some of the fall out, a number of comics shows are doing their best to exist in the virtual world. The latest edition to this roster is one of my personal favorite small shows, San Francisco Zine Fest. Accepted exhibitors will have the chance to socialize with other zinesters over video and have their work promoted by SFZF [...] Additionally, everyone attending Cyber Fest will have access to many live virtual events — like zine readings, interviews with the 2020 guests of honor, participate in zine-making hangouts, attend exclusive workshops, and more!
in "The SOLRAD Newsletter July 12, 2020" 12 jul 2020

E com esses blurbs para contexto de zines na era das pandemias, nós e os Lisbon Zine Fest by any other name: nem assim, culpados. Queríamos muito dizer-vos – e até tentar convencer-nos - que é tudo uma incrível sucessão infeliz de incompatibilidade de agendas, mas já tão adiantados no calcificar de hábitos sabemos que é mesmo feitio. Segue-se o pouco que podemos apresentar a jeito de desculpas.

Indies, zines, universos traçados, não nos liga os meios de produção: o como o fazem segue-se em lógica — ou contra ela — da razão que os move. Sobretudo, estamos nisto para dar seguimento aos porquês. Não faltam nazis pelo ambiente, trolhas contra a globalização, racistas anti-capitalistas, todos pelo d.i.y. mas por organizarem uma feira não é automático que lhes emprestemos qualquer simpatia. Esse é o nosso primeiro grande senão: encontrar uma congregação em perfeita sintonia de intenções, aproximada não serve. Pela sua natureza, este é daqueles espaços que só se justificam na justaposição exacta de desígnios, um pouco como a religião aos tontinhos: todos tolerantes às variações praticadas, mas só entram à missa do seu amigo imaginário pessoal.

Porém, acertadas motivações, zines ou outros artefactos não nos motivam deslocações. É da natureza da relação que temos aos objectos. Sabemos, lamentamos, explicamos com a analogia do gelado, aproveitando estes dias de calor para apelarmos à vossa compreensão. Sabemos que gostamos, sabemos como é bom e refrescante, sabemos que o queremos, sabemos que vai saber bem, sabemos que vamos querer mais e repetir, são cinco bolas mesmo se o cone só leva três. Mas não vamos arrostar caminhadas debaixo dum sol incendiário por um, não batalhamos trânsito e estacionamentos por causa dum, pedalar pela recompensa de uns minutos já esquecidos no castigo do regresso 'tá doido, apinhar transportes públicos – calor ou não: aquilo da peste que também aquece – é para quem faz fé no menino jesus e outros seres aero-espaciais. O melhor gelado depende da ocasião que se apresenta, se vem ter connosco inesperadamente rebenta escalas de prazer. Somos horríveis, também o sabemos, com tanto trabalho que um zine exige aos seus criadores querê-los assim à preguiça. Em nosso abono, sempre incentivámos a troca de zines por correio - puff! magia.

Anyhoos, pausa para refresh.

junta-te à festa