OS POSITIVOS

desalinhados no (re)verso

Perdoem-nos se prolongamos rants pessoais, mas, coincidências! quis o z-to-tha-geist que tropeçássemos no contexto dos comics com este poeta que nada deve à bd, pese o facto de ter uma entrada na wiki cujo primeiro parágrafo começa justamente de um certo "comic novel", (in)feliz contiguidade de termos totalmente descontextualizados ao (a)caso e de cujo título "The Hard Life" despropositamos para outras insinuações: será, se não se estiverem a divertir pelo caminho. Do autor sabemos que ganhou a reputação entre os seus contemporâneos como "one of the funniest and most outrageous writers of his day", reconhecendo-lhe a "facility for playing ironically with language," "general mendacity and love of puzzle-making", algum "delight in fictionalising himself" que somando à sua variedade de pseudónimos / escritos convence uns quantos a teorizar do seu “fitful, perhaps uneasy spirit". E que escritos nos chegam dessa inquietação republicado em redes de todas as coisas bedéfilas? (*) Uma rant ao fetiche do print.

*) No Flume 22 jan 2019, um "blog about comics, cartooning, culture, etc..." do falecido Alvin Buenaventura, editor, e alguns outros escribas de literatura crítica dedicada à causa das rimas quadradas, como Ivan Brunetti, Todd Hignite do "In the Studio: Visits with Contemporary Cartoonists", Ken Parille do TCJ, ou cartoonistas Tim Hensley yadda.

Segue-se texto a afrontar brio de bibliófilos, bibliotecários e editores intencionalmente limitados:

rippado daqui
Positively no reprint.

Não retraímos opiniões neste zine do contra em arsty-farsty e mercantilismo, mas caso tenhamos deixado passar mais de 5 segundos e umas quantas newsletters sem o bramar aos céus, gratos pela oportunidade e repetimos. Já enquadrada a propósito da "tendency of publishers to fetishise literature in the interest of commerce" com o dobrar espinha ao $$$ e o "producing luxury goods in limited quantities for elite consumption", último cite para concluimos notas nas possibilidades de subversão de lógicas em certos meios:

By relentless logic [o-senhor-de-hoje-e-ide-pesquisar] arrives at a position where he can ask bibliophiles and lovers of poetry to do the honourable thing for his poetry by paying money for copies that are so limited in number as not to exist at all. The subversion of convention is complete: the reader goes away quizically amused at the deceitfulness of logic, and more aware of the treacherous possibilities of language. Words, pushed to fulfil the meanings they pretend to, make fools of us.
in "Cycnos, Volume 10 n°2" 16 jun 2008

alinhamos