OS POSITIVOS

as acções contam

Porque não devem votar e em quem votar, combinados agora no quando votar. As mesmas razões que alimentam primeira e segunda preposição: acção directa gets the goods; só nessa acreditamos e é preciso saber aproveitar os timings para conseguir resultados concretos – não os prometimaginados -: impedindo a maioria anunciada dum partido-que-o-pariu já regressado ao business as usual.

O voto verdadeiramente útil passará por sentar menos de-putados de bancada que os obrigue a fingirem-se honestos – os "imaginados" – ou até fazer a coisa certa – "prometidos" – , e sobretudo, negar-lhes razões para se arrogarem os donos duma vontade nacional.

quem não conta