OS POSITIVOS

conteúdo comerdial

Esta também veio no jornal mas cremos que não serão produto do mesmo estúdio. Entra directo ao nosso summer's shitlist e não cremos que teremos de falar mais da coisa fora o i) pica várias checkboxes ii) mas da forma errada e iii) sabe-se lá com que resultado – arriscando que nessa última, nem eles terão a resposta trespassada a quantidade de analytics que lhes correm por cima.

"não me apanhas assim, miúdo"

Em leituras não intencionadas, à vossa opinião o que funciona melhor: que recorram ao desenho para para demonstrar a qualidade das suas fotografias, ou que terminem com um "o original será sempre melhor que as cópias" numa publicidade com o objectivo de incentivar cópias. Anyhoos, quem é o target desta porra: os adultos treinados a ignorar a com condescendência a banda desenhada ou os seus filhos sem o guito para comprar tinteiros? Desconfiamos seriamente do seu poder de persuasão em crescidos, e os pequenos não desconfiam que por processos mecanic-ó-electrónicos podem materializar as fotos no ecrã em papel. Thiz-iz-dumb a tantos níveis que está obviamente em linha com o que passa por bd neste país - mas não acreditem em nós: está no título da coisa e em mês de nova coleção de novelas gráficas consegue aparecer por cima dessas em algumas pesquisas. O que nos devolve aos analytics.

A dumbisse desta peça está no contrário da tech que a corre. Em baixo o que o publico.pt usa para seguir os seus visitantes.

Para comparação aos seus 18, um excesso que partilha com vários outros sítios noticiosos nacionais, o The Guardian só acusa 8 soluções de analytics / marketing e o todo poderoso NYT apenas 5. Atribuimos esta à expertise 'tuga, ou também ai à inaptidão nata que os embaraça?

continuando...