OS POSITIVOS

the comics critic-critic, critic

If anything, fittingly, the book as a whole reminded me of the comics themselves. A bizarre combination of being opinionated, and being averse to one of the most fundamental aspects of artfulness: persuasion.
in "The Best American Comics 2018" 7 nov 2018

Persuasão não temos, adversos à Arte. Mas somos insistentes, e opinados. Mesmo se prosseguindo as aventuras dos nossos amiguinhos fora-de-ecrã, há sempre tempo - ou razões terapêuticas?- para espreitar o que se passa por cómicos nacionais.


I


Candidato mais evidente para inicio de périplo, ainda a Amadora BD. Pequeno mashup de posts entre os blogs habituais nestes temas, cujo mar de lamentações parecia iniciar-se mesmo antes do próprio festival. Publicado no lerBD ao arranque do evento, o seu autor começa o anúncio da sua preenchida agenda - subcomissário, conversas e autógrafos - com uma pequena ressalva, previdente para outras leituras em banda desenhada.

Apesar das dores de cabeça, lá acabei por participar em vários papéis.
in "@ 29º FIBDA. 2018"  25 out 2018

Apenas um dia depois, mais leituras, outro Pedro, a enxaqueca. Descreve-nos um "festival [que] se tem deteriorado ano após ano":

Informação à imprensa, aos bloggers, a quem faz divulgação dos acontecimentos de banda desenhada, não houve. Quase se pode pensar que o festival este ano não existe.

O cartaz apresentado é desolador e sem qualquer nome capaz de atrair o grande público [com] autores e projectos pouco populares, quando não mesmo obscuros ou conhecidos apenas por um nicho dentro do nicho [que] nada dizem ao grande público e pouco dizem mesmo a muitos leitores declarados de banda desenhada.
in "Amadora BD 2018: O festival que (não) existe" 26 out 2018

Do festival-que-não-existe ao não-festival, poucos dias separam-nos do mesmo desalento:

As exposições eram muito poucas e banais [ & ] a tristeza de não ver ou haver público, do ar cansado e enfastiado que quem está de serviço aos stands.
in "O Não 'festival' Amadora BD 2018" 4 nov 2018

De prémios:

Só se soube dos artistas e livros nomeados a menos de 24 horas antes da entrega dos prémios, e claro, não estavam presentes.
in "O Não 'festival' Amadora BD 2018" 4 nov 2018

E continuando do "um dia depois", mais um e último excerto para os anais da história:

Esta foi a edição em que me perguntei porque raios me dei ao trabalho de pedir acreditação para fotografar o festival sem os assistentes me chatearem, se não há nada de interessante para fotografar.


  • Há bastante tempo que o festival se tem revelado bastante medíocre.
  • O Amadora BD menos ambicioso de que me recordo (...) abaixo do nível esperado do festival.
  • Ao entrar nos pavilhões do festival, imperava a desolação.
in "Amadora BD 2018" 5 nov 2018

Já havíamos notado antes que este blogger se move por temas que nos são caros. Nessa linha apontamento para o comentário anterior às fotografias, "declaração de consentimento no âmbito do RGPD que viola o RGPD": a arquivar na gaveta dos "funny, ‘cuz true"? E continuando de sobreposições de sensibilidades, familiarizado com o desporto nacional de criticar (*) o ABD...

Os comentários à pobreza franciscana do festival nas redes sociais colocaram-me de sobreaviso [mas] conheço bem a predisposição dos fãs de BD portugueses para o zurzir no Amadora BD.
in "Amadora BD 2018" 5 nov 2018

*) Discussão que se perde no burburinho efémero das redes sociais. Nos antípodas, OS POSITIVOS: registos para a posteridade, pensamos nos internautas por vir.

...encontramos naquela "pobreza franciscana" outras ironias.

A exposição de charneira, dedicada ao autor vencedor dos prémios Amadora BD no ano passado, só a consigo definir com um credo!. Representa um lado muito experimental da banda desenhada que, se deve ter lugar na edição e apreciação crítica, não é muito esplendorosa. Se calhar estou a ser reducionista e a rejeitar Sousa Lobo por ser demasiado cerebral.
in "Amadora BD 2018" 5 nov 2018

Algumas puff-pieces na imprensa fazem o rescaldo habitual, e assim termina o festival que celebra um dos autores charneira da Chili actual. Deambulamos por outras peças deste universo e seguimos com o seu representante máximo a dar ares da sua graça na depreciação de crítica alheia.


II


De "A a BD", Amadora BD ie, revistinhas de publicidade que se passam por imprensa, Chili, e a graça - no traço que se lhe conhece:


in "O jornalimos de merda na Time Out (ou, descubra as sete diferenças)" 8 nov 2018

Tanta hostilidade para uma crítica que nos passa por inócua mesmo se lhe encontrássemos alguma maldade. O único jornalismo de merda que lhe podemos acusar é falhar redondamente em compreender o conceito de puff-piece em revista para esse efeito.

Dizer que este livro do finlandês Benjamin Bergman é uma  verdadeira alucinação, e que pouco fica a dever ao mais  radical psicadelismo, ainda é pouco. Numa explosão de cor e estrambólicas criaturas (afinal, estamos perante as  aventuras de um par de elfos e um cavalo), o autor dos  icónicos Simplesmente Samuel e Caminhando com Samuel  extravasa a concepção clássica de BD, aliando as técnicas  da ilustração ao mais puro expressionismo pop.

Mesmo dia, outra crítica, outro livro, outro autor estrangeiro publicado por uma outra (cof-cof) editora nacional. Não se lhe acusa psicadelismos, explosões de cores estrambólicas ou expressionismo pop, mas podiam, e falam-nos de "conceptos más osados y extravagantes", "a veces surrealistas y absurdos", "apropiacionismo", "un discurso intencionadamente artístico", yadda yadda yadda, "Fearless Colors" de Samplerman, "en el libro que el año pasado coeditaron Ediciones Valientes, MMMNNNRRRG y Kus!".

Desconhecemos os caralhetes que Farrajota desenhará em cima desta crítica mas seguimos da sua conclusão para as nossas:

Lo que opera aquí es, principalmente, una maniobra que potencia la cualidad salvaje y bizarra de aquellos cómics por una vía inesperada: la puramente estética.
in "Fearless Colors, de Samplerman" 8 nov 2018


III


E de manobras puramente estéticas regressamos então, mesmo se não o parece, à casa de partida. No cahiers du cinema da crítica internacional em comics uma condenação demolidora que o editor acima desagradado talvez preferisse à publicidade mal disfarçada que lhe coube (porque... falhou em publicitar? Tivesse entregue o press-release...). Dessa, diz-nos o seu escriba:

There are two obvious bents in The Best American Comics 2018. First, towards the auto and semi-autobiographical. Second, towards the non-narrative, or otherwise "art"-y and experimental.
in "Fearless Colors, de Samplerman" 8 nov 2018

É da nossa sina nacional que ambos se tenham combinado num só. E desse(s) –

Those are perfectly fine genres, and there’s no reason that they couldn’t happen to comprise the plurality of the year’s best comics, but the fact that their exemplars were simultaneously overrepresented and underwhelming left me with the distinct feeling of bias.
in "Fearless Colors, de Samplerman" 8 nov 2018

E por esse bias, continuaremos a repetir-nos neste espaço.

velhadas